Denúncia no Ministério do Trabalho


 
Na Avenida Costábile Romano, esquina com a rotatória da Unaerp, em Ribeirão Preto, tem um posto de combustível Petrobrás-BR, onde eu abastecia o carro. Abastecia. Não abasteço mais.
 
Não abasteço mais desde que vi como os funcionários do posto têm que fazer a lavagem de carros nesse posto. Eles fazem isso num local sem proteção contra exposição ao sol e chuva. O que foi feito pelo posto para tentar inibir a exposição ao sol e a chuva foi uma pseudo cobertura no estilo tenda, que tem só um tecido por cima e as laterais são todas abertas, e, ainda assim, o tecido da tenda não cobre toda a parte de cima do local, que contém aberturas.
 
Quando vi isso, vi também o funcionário que estava fazendo a lavagem ter que parar a lavagem porque começou a chover, e como a chuva demorou em passar, o funcionário, constrangido em deixar o cliente ficar esperando, terminou a lavagem durante a chuva mesmo. Quando acabou a lavagem o funcionário estava com o uniforme molhado.
 
Perguntei ao funcionário se ele tinha outra roupa ou uniforme para colocar em substituição ao que ficou molhado. Ele disse que não, ou seja, o funcionário ia continuar trabalhando com o uniforme molhado até ir embora. Nessa mesma oportunidade vi que o braço desse mesmo funcionário estava queimado de sol, e com marcas que se encaixavam direitinho onde terminava o uniforme dele no corpo, e foi quando perguntei também se o posto fornecia protetor solar e óculos solar.
 
Solicitei conversar com o gerente do posto que estivesse trabalhando naquele momento. Fui apresentada para o gerente de nome Luciano. Relatei essas circunstâncias para ele e minha indignação e lamento pelas condições deficientes de trabalho que um posto de combustível proporciona a seus trabalhadores. Expressei como essa situação é ofensiva à saúde dos trabalhadores e tão desnecessária, tendo em vista que com investimentos ínfimos ela poderia ser tão melhor, além de tal imagem depreciar o posto ao dar margem ao pensamento de que o posto parece não valorizar os trabalhadores que tem ao não proporcionar as melhores condições possíveis a seus trabalhadores.
 
E quando falei de "melhores condições possíveis de trabalho a seus trabalhadores" tentei fazê-lo refletir o quão feio se apresenta um posto de combustível que não acha possível proporcionar a seus trabalhadores um local coberto, sem exposição a sol e chuva, para lavagem de carros.
 
Por fim, disse ao gerente Luciano que eu voltaria a passar pelo posto para ver se algo mudou nesse sentido, e que se em um mês eu não visse mudança eu faria uma reclamação no Ministério do Trabalho.
 
O tempo passou, mais três meses vieram e nada mudou naquele situação. Assim sendo, fiz o registro ontem no Ministério do Trabalho, e, ato contínuo, voltei ao posto para mostrar ao gerente o protocolo do registro e para dizer que naquele posto eu não consumo mais, porque não concordo com condições de trabalho que o posto proporciona a quem trabalha para ele.
 

       Raquel Montero 



Veja outras notícias

30/11/2018 - Na eleição da OAB de Ribeirão Preto foi eleita a renovação
19/11/2018 - União homoafetiva aumentou mais do que as uniões entre heterossexuais
22/10/2018 - Compartilho dos motivos da minha decisão em concorrer para a nova diretoria da OAB - 12º Subseção
05/09/2018 - Entrevista para a Revide sobre baixo número de candidaturas de mulheres
07/08/2018 - Entrevista sobre os 12 anos da Lei Maria da Penha
09/05/2018 - Palestra sobre a Lei Maria da Penha
21/03/2018 - Violência doméstica ou familiar contra a mulher e o direito a indenização por dano moral
16/03/2018 - Democracia e representação das diferenças em palestra em escola estadual
09/03/2018 - Atividades da Semana 8M
07/03/2018 - Mudança de prenome e sexo direto no cartório
Vídeos e Entrevistas
meu canal no youtube
Entrevistas em
jornais e revistas
Fotos
Blog
Facebook

escritório
Rua Cavalheiro Torquato Rizzi, 1267
CEP 14020 300Jardim IrajáRibeirão PretoSP
(16) 3013 9636 (16) 99222 7411
raquel@raquelmontero.adv.br