Igualdade de gênero na palavra também


A gente fala
pede
reivindica
igualdade de gênero
nas relações
no trabalho
no salário
em que tudo que se pratica
 
 
mas já na escrita
no texto
no manifesto
em toda grafia
permanece o erro
a desigualdade
o equivoco ou a maldade na travessia
 
 
continuam a se referir ao "o" ou ao "os"
para falar também do "a" ou "as"
Assim é em todas as referências
precedências
 
 
Ordem dos Advogados
Sindicato dos Trabalhadores
Associação dos Magistrados
Sala dos Professores
 
 
os alunos
os estudantes
os filhos
os palestrantes
os os os os
nada de as as as
 
 
ta na placa
no documento
no informe
no estabelecimento
 
 
é nacional, internacional
no jornal
na revista
na propaganda oficial
no convite informal
na certidão notarial
está tudo à vista
 
 
é tudo "o"
é tudo "dos"
eles, pra eles, é deles
 
 
colocam o "o" como se abrangesse o "a"
e o plural "dos" pra todas as "das"
 
 
Se a igualdade já não está na grafia
na menção
na descrição da escrita do escriba
na ideia que nasce
do conjunto de palavras
que faz o texto
o documento
o pretexto
já faz desigualdade então
e enfraquece a transformação que se busca na revolução
ou faz pior
 
 
faz dissolver, esvair
o conteúdo da ação que se está a imbuir
 
 
Se a ideia que precede a ação, a intenção
tá no texto
que formula o manifesto da revolução
a notícia que forma a opinião
que resume os fins do movimento
da organização
nesse texto também já deve estar
a igualdade que se quer realizar
 
 
"o" não é "a"
o plural de "as" não é "os"
e o "a" ainda precede o "o"
assim como o "das" o "dos"
 
 
já está errado na grafia
e mais ainda na ideologia
 
 
então para agir certo
escrever o correto
sem desafeto com a gramática
o gênero
a biologia
e transformar sem desigualar
deve ser "Ordem das Advogadas e dos Advogados,
Sindicato das Trabalhadoras e dos Trabalhadores,
Associação das Magistradas e dos Magistrados,
Sala das Professoras e dos Professores,
as alunas e os alunos,
as estudantes e os estudantes,
as filhas e os filhos
as palestrantes e os palestrantes"
 
 
Não se trata de uma letra apenas
a modificar
mas de tudo que ela quer significar
e quem escreve também contribui para o que se quer transformar.
 
 
Raquel Montero


Veja outros artigos

14/12/2018 - Guarda de filho e uma sentença que resolve o conflito
22/08/2018 - Artigo sobre depressão publicado no jornal Tribuna Ribeirão
31/07/2018 - Problemas com o não fornecimento de peça de reposição para carro novo? É caso de Polícia!
25/05/2018 - Se a sociedade tem diversidade por que a maioria dos representantes do povo são homens, brancos e ricos?
17/05/2018 - Algo errado na política habitacional ou tem pessoas que gostam de viver na rua?
08/05/2018 - Decisão garante duplo registro de paternidade
02/05/2018 - Feliz por estar presa e condenada a ex-prefeita de sua cidade?
26/04/2018 - Reconstrução da mama de forma gratuita é um direito
13/04/2018 - Descumprimento das medidas protetivas da Lei Maria da Penha agora é crime
26/02/2018 - Judiciário e a separação do casal
Vídeos e Entrevistas
meu canal no youtube
Entrevistas em
jornais e revistas
Fotos
Blog
Facebook

escritório
Rua Cavalheiro Torquato Rizzi, 1267
CEP 14020 300Jardim IrajáRibeirão PretoSP
(16) 3013 9636 (16) 99222 7411
raquel@raquelmontero.adv.br